Free Volunteer Thailand 28/03/2018 por André Silva

Free Volunteer Thailand

Depois da LIVE que eu e a Letícia Mello do Do For Love Project  fizemos, resolvi fazer esse post escrito para resumir todas as dúvidas que esclarecemos, assim ele fica fixo e vocês podem ler com calma a qualquer momento. Na LIVE tivemos a participação também do Clayton Zeca e da Letícia Zotto que são dois brasileiros que acabaram de ser voluntários no projeto da Tailândia e que estão abertos a receber mensagens de quem quiser tirar dúvidas diretamente com eles.

Vamos lá!

Voluntariar tem a ver com doação e entrega, é parar a rotina e se abrir para novos aprendizados.

Na minha opinião o voluntariado é como a meditação. Quando a gente consegue, enfim, parar a mente, calar os pensamentos para deixar o universo agir e observar o presente, passamos a viver uma nova realidade. Voluntariar é uma oportunidade de crescimento pessoal, pois ao mesmo tempo que doamos nosso esforço, tempo e conhecimento, recebemos ainda mais em retorno. É uma verdadeira imersão cultural em novos costumes, culinária, aprendizado, respeito ao próximo, dedicação e muito amor, lembranças que iremos levar para sempre conosco.

As dúvidas são normais para quem nunca se arriscou numa aventura como essa e é para isso que estou aqui. Conheci o Free Volunteer Thailand , quando li o livro “DoForLove” da Letícia e me joguei em uma experiência de 1 mês no projeto. Mesmo não estando mais na Tailândia, sou voluntário remoto do projeto, trabalho entrevistando e selecionando os candidatos.

Espero que consiga responder aqui algumas das questões que podem estar travando seu dedinho de clicar nesse link www.freevolunteerthailand.org e se inscrever.

Vamos a elas então:

Sobre o projeto:

O programa de ensino da língua inglesa no interior da Tailândia foi criado em 2013 pelo Jason, um jovem professor tailandês, visando levar mais oportunidades para as crianças da região da província de Sakaeo, que é uma zona rural e possui quase nenhum contato com a língua e com turistas. A presença dos voluntários estrangeiros enriquece o aprendizado com novas didáticas e até com material de apoio mais adequado e mais eficiente.

Quem pode se voluntariar?

Todas as pessoas, acima dos 20 anos, que possuam inglês proficiente, ou seja, de nível intermediário para avançado e com boa desenvoltura. Lembrando que lá não é o local ideal para treinar seu nível de inglês, pois os alunos precisam de professores que saibam liderar e criar métodos de ensino.

Sobre as aulas:

A maior parte das escolas não possuem material didático a disposição, ou seja, eles não seguem um livro previamente estabelecido. Algumas escolas criaram um “Diário do Voluntário”, onde são feitas anotações diárias do que foi ensinado para cada turma. O diário ajuda muito mas é interessante avaliar o conhecimento deles e pesquisar as melhores formas de ajudar, seja criando exercícios, brincadeiras, músicas, etc

Lembre-se que são crianças e brincar faz parte do aprendizado!

Sinta-se a vontade para baixar vídeos, levar música, livros e qualquer material que julgar válido para ajudar na educação das crianças. E sinta-se mais a vontade ainda para deixar o material para eles como presente no final de seu período.

Sobre conexão wifi:

Sim, todas as escolas possuem internet! Fique a vontade para levar seu computador pessoal, algumas escolas possuem um notebook para uso do voluntário, você terá bastante tempo livre para pesquisar dia a dia novas aulas, não se preocupe.

Sobre a estadia:

Cada escola é responsável pelos seus voluntários, você poderá ficar hospedado dentro da escola, em um local construído especificamente para isso, na casa de um professor ou ainda em alguma casa alugada. Porém todas acomodações sempre muito próximas da escola.

A alimentação também é fornecida diariamente: café da manhã, almoço, café da tarde e jantar. Nada impede do voluntário comprar algum suprimento como biscoitos, doces ou o que achar que sentirá falta. Lembre-se que sendo a alimentação fornecida por eles, as opções são as comidas locais, sempre.

Sobre restrições alimentares é sempre importante deixar muito claro no formulário de aplicação e sobre comida vegana/vegetariana avise na escola sua opção, mas não se preocupe que a região é farta em verduras, legumes e frutas. Uma coisa que vale lembrar é que eles possuem o costume de salgar a comida com fish sauce, informe-se melhor sobre isso. Aconselho a levar também sua suplementação em cápsulas, a alimentação pode ser bem diferente e até se adaptar, você pode sentir alguma deficiência de proteínas, por exemplo.

A comida por lá é geralmente muito apimentada, deixe claro se você quer com menos pimenta ou sem pimenta (mai ped = sem pimenta).

Os locais onde os voluntários se hospedam são muito simples, a água é em temperatura ambiente, geralmente sem chuveiro tradicional (banho de caneca ☺) e as descargas são a mão, ou seja, com a canequinha mesmo. É importante deixar isso muito claro para que não haja surpresas. Eles são pessoas muito simples e irão oferecer o que para eles é normal, toda simplicidade com muito amor.

Sobre os valores:

Os valores são simbólicos, 15,00USD para aplicar (não reembolsável) e passando na segunda fase, que é a entrevista via Skype, você deverá pagar os seguintes valores:

– 50,00 USD para 1 mês;

– 25,00 USD para 2 meses;

– Free para 3 meses ou mais.

Ou seja, quanto mais tempo você se compromete em ficar, menos você paga.

Os demais custos são de responsabilidade do voluntário: passagens aéreas, hospedagens fora dos locais fornecidos pelo programa, passeios, alimentação fora da escola, transporte, saúde, etc.

Os valores pagos são para ajuda de custo das despesas com o próprio voluntário.

É somente para aulas de inglês?

Sim! O projeto foi criado para dar melhores condições de vida para aquele povo, proporcionando possibilidades de emprego melhores já que o Turismo é uma das principais atividades econômicas do país. Caso você tenha algum talento extra, será super bem-vindo, agregando as aulas.

Sobre os horários das aulas e da idade das crianças:

Os horários dependem da escola que você irá ficar, lembrando que são escolas públicas e que possuem um calendário de aulas já programado. O voluntário entra nos horários previstos e a carga diária varia entre 3 horas até 5 ou 6 horas (6 horas é bem raro) de segunda a sexta-feira, com os finais de semana livre. A idade dos alunos depende também da escola, começando aos 5 anos até os 16 ou até mesmo classes para adultos. Caso você venha a pegar uma sala de adultos, não se preocupe, eles estarão todos com um lindo sorriso no rosto e muito atentos para aprender qualquer coisa que você possa ensinar e, não se assuste se no final, eles pedirem um abraço e fotos.

Mas, no geral, você terá muito tempo livre. Eu ficava estressado no início para respeitar os horários das aulas, houve vezes que já era hora de aula e os alunos estavam todos sentados pelos corredores da escola, eu falava com a diretora que só sorria e respondia:

– Thai time.

Hehe, isso mesmo, relaxe, vá com calma, respeite-se, aprenda a ir devagar, com amor e muita tranquilidade.

Ah se você gostar de jogar um futebol com os garotos, ou vôlei com as garotas, será um plus.

Sobre os finais de semana:

Às vezes pode ser muito solitário, caso você seja o único voluntário e fique hospedado dentro da escola, como foi meu caso. Tinha muito tempo ocioso para ver séries, ler livros, escrever, passear pelo mato, rs. Mas, você pode contatar os voluntários das escolas da região para organizar mini viagens ou ir para a hospedagem deles, sem problemas. A diretora poderá te levar até eles ou até o ponto de ônibus para sua mini trip.

Sobre a segurança:

A Tailândia é um país muito seguro e, mesmo com tanta pobreza que o país vive, quase não se escuta falar de crimes por lá. Quem leu o primeiro capítulo do livro da Leticia Mello – Do for Love  (quem não leu, leia imediatamente, rs), sabe que ela foi assaltada logo no seu primeiro dia de viagem. Bangkok é uma metrópole e é preciso ter cuidado com os famosos pick-pockets espalhados pelo mundo. Foi isso que ela sofreu, levaram seu passaporte, então, em lugares com muita gente, segure bem os seus pertences, coloque a mochila para a frente, não use celular no meio da multidão, resumindo, não dê sopa para o azar, como dizem. Somos brasileiros e a triste realidade de violência que vivemos aqui em nosso país transforma a Tailândia numa verdadeira Disneylândia da segurança, então, se você é mulher e vai sozinha, não tenha medo, somente redobre a atenção.

Tem como saber antes em qual escola irei voluntariar e o número de alunos?

Sim, com toda certeza. Depois de aprovado no programa e com a taxa já paga, o Jason irá direcionar o voluntário para umas das 43 escolas inscritas, conforme a necessidade e também respeitando o desejo do voluntário de que tipo de escola gostaria de ficar (rural ou urbana). Após feito isso, ele passará o contato do diretor(a) da escola e se já houver algum voluntário por lá, você também terá o contato. Dessa forma fica fácil saber todas as informações sobre o tamanho da escola, quantidade e idade dos alunos, o que estão aprendendo e até que tipo de habitação você ficará. Tudo de forma clara e simples.

Posso ir com mais pessoas?

Sim, você pode, desde que todos passem pelo mesmo processo e sejam aprovados. Caso seja um casal, o Jason fará de tudo para colocá-los numa mesma escola. No caso de um grupo, provavelmente serão separados, de acordo com a quantidade de voluntários que cada escola suportar, mas mesmo assim, ele fará de tudo para que fiquem todos próximos.

Sobre transporte:

A escola ficará responsável por suas idas e vindas para algum local na mesma cidade para fazer compras, ir ao banco, resolver alguma coisa, etc. Algum professor irá fazer isso para você com um super sorriso no rosto, levando e buscando. Importante: seja coerente e não abuse da boa vontade deles. Caso seja final de semana, eles poderão te levar até um ponto de ônibus, se você estiver em uma escola rural e, quando voltar para a escola o professor poderá lhe buscar no mesmo ponto de ônibus e te levar para a escola.

Sobre época do ano e temperatura:

A Tailândia é um país bem quente e úmido, o período mais quente é de Março a Maio seguido da época de chuvas de Maio até Outubro. Existem dois períodos do ano, que são as férias escolares, no qual o projeto não recebe voluntários, entre o dia 1 de Abril e 15 de Maio e o mês de Outubro inteiro.

E, sobre as roupas, leve roupas leves, não é permitido dar aulas de bermudas, sempre pedem que os voluntários usem calças compridas e para as mulheres roupas que cubram os ombros e joelhos. A Tailândia é um país Budista e até para entrar nos templos é necessário seguir essas regras.

Lá existe o costume do Buddha Day (dia do Buda) e uma vez por semana, logo pela manhã, todos os alunos vão para o templo rezar e comer junto com os monges. Esse ritual acontece na maioria das escolas, nós voluntários, vamos junto e nesse dia pedem que usemos uma camiseta branca.

A quantidade de roupas depende muito de sua necessidade na real, pois não adianta falar que irá para ficar muito tempo e por isso precisa de muitas roupas, pois podemos lavá-las todas as semanas e continuar usando. Caso você queira comprar roupas por lá, de acordo com as suas necessidades, tudo bem também, existem inúmeras opções muito baratas até. Falando da minha experiência, eu ao invés de ir comprando, fui me desfazendo, doando, deixando para trás peças que, mesmo novas, eu sabia que não me seriam mais úteis. Também meu esquema é mochilão, então levo poucas coisas comigo.

Sobre a aplicação:

Para aplicar para o projeto é muito fácil: vá online diretamente no site www.freevolunteerthailand.org e aproveite para ler tudo que quiser sobre o projeto, ainda na página inicial role a página até o final, clique em “How to Volunteer” que te redireciona para a próxima página contendo todas as informações e requisitos para se tornar o próximo voluntário na Tailândia. Num breve resumo você precisa comprovar seu conhecimento em inglês, seja por diploma de escola ou até mesmo uma carta de recomendação de um professor de inglês, apresentar certidão de antecedentes criminais, ter mais de 20 anos e não ser portador de doenças transmissíveis. Faça o upload dos documentos e pague a taxa de 15 dólares já mencionada aqui, depois de aprovado você será convidado para a entrevista. Ainda no formulário de aplicação você menciona o período do ano que pretende ir, também que tipo de escola você gostaria de ficar, escola rural, urbana ou também pode dizer que não tem preferência.

Mais uma vez, somente após aprovado na entrevista você precisa pagar a taxa de permanência de acordo com o tempo pretendido.

Os pagamentos são feitos via PayPal, somente assim.

Tem multa?

Sim, e o motivo é simples: quando o voluntário se compromete com o programa, uma agenda é criada, o local para a estadia é alugado, os professores se preparam para recebê-los etc. O Jason optou por aplicar uma multa de 650,00 USD caso o voluntário desista do programa no meio do caminho.

Esse valor não será cobrado se você desistir do programa antes de ir, mas é de fundamental importância avisar o programa o mais rápido possível caso aconteça alguma eventualidade e você não possa ir, até uns 15 dias antes no máximo.

A multa só é aplicada para aqueles que forem e desistam do programa antes do período estabelecido. Tivemos um problema grave no passado com uma voluntária que quase fez o Jason desistir de todo trabalho que ele já fez até hoje. Como forma de proteger o programa e diminuir os, aventureiros de plantão, ele estipulou essa cláusula do contrato como proteção.

E tem certificado?

Opa, tem sim, no final do programa você será homenageado pela escola com uma despedida, pode ser uma festa somente entre os professores ou um jantar em um restaurante, por exemplo, e você receberá seu certificado, além de um monte de abraços e algumas lágrimas.

Tudo parece perfeito demais, tem algo que preciso saber?

Acho legal você saber que esse é um projeto muito genuíno onde um simples professor resolveu um dia fazer a diferença na vida de muitas pessoas. O próprio Jason não sabe a grandeza de tudo que tem feito até agora, ele não está somente ajudando crianças a terem mais oportunidades no futuro, ele está ajudando as famílias dessas crianças a sonhar com algo melhor para eles próprios e seus filhos e ele está mudando também a vida dos voluntários que se entregam, se doam e, dessa forma, aprendem uma nova forma de amar.

Eu, André, quando fui, tinha algumas dúvidas, mas queria saber somente o básico, o endereço da escola para eu não me perder ao chegar e a idade dos alunos para pesquisar material e aulas para ajudá-los. O resto eu deixei para ir acontecendo dia após dia e, foi dia após dia que eu aprendi a melhor forma de ensinar, de aprender, de me divertir com eles, de me envolver com o projeto e, quando eu me dei conta meu mês estava acabando, foi tão rápido e tão intenso, meu depoimento no documentário “Um dia eu Voltaria”  da Letícia Mello (ele foi baseado nas histórias do livro dela), foi extremamente sincero, eu estava vivendo uma realidade paralela, cheguei com medo de eu mesmo ser uma fraude e não saber ensinar inglês direito, achando que estava fazendo pouco, que as aulas não estavam rendendo nada. Mas no fundo tudo que eles queriam é que eu estivesse lá com eles, olhando para eles, ajudando-os com palavras novas, com um mundo novo, mostrando no mapa onde o Brasil fica, rindo e bancando o cantor com um apagador na mão lá na frente da turma que chorava de tanto rir. Então, se você quer mesmo ir, vá! Entregue-se e deixe as coisas acontecerem naturalmente, talvez você enfrente coisas diferentes do que eu ou do que a Letícia viveu por lá, cada um tem sua história, talvez essa experiência não mude sua vida, sua visão de mundo ou talvez mude, mas vá, experimente e depois conta pra gente, tá?

Espero assim ter respondido as principais dúvidas, no mais fiquem a vontade para enviar para o meu email contato@rotaunica.com.br ou no meu instagram @perdidoaos40.

São 2 projetos sim, uma hora eu explico.

Abraços e bem vindo ao time de voluntários.

Let’s spread love.

André Silva